sábado, 11 de setembro de 2010

Ontem fui até Moçambique...

...até Moçambique, no Porto, e descobri como sítios tão distantes se podem tornar  deliciosamente próximos. Fomos com o objectivo de jantar e despedir-nos de um colega de curso, o A., que é professor universitário em Moçambique. 

http://www.behance.net/Gallery/Life-is-Beautiful-Mozambique/323690 --» uma galeria que vale muito a pena espreitar!

Em relação ao jantar,  fiz um esforço enorme por gostar, mas não fiquei fã. Os sabores são muito intensos, demasiado doces para uma refeição de faca e garfo e os picantes abundam! Foi lindo ver o R. a ferver e a beber quanto podia para aliviar a sensação de garganta a arder logo após as primeiras gulosas dentadas na entrada! Por sorte, como grande parte dos molhos picantes vinham em separado foi possível escapar-lhes em doses maciças. O primeiro prato foi frango com amendoim. Eu de frango, só gosto de frango de churrasco e no frango de churrasco, só gosto de peitos. Esquesitinha, eu sei! A seguir veio camarão com caril, que sabia a castanhas doces e tinha um colorido lindo, mas ainda assim não me conquistou totalmente.

O que me conquistou e arrebatou sem igual foi o espírito de missão e altruísmo que eles têm, a um ponto que eu nunca hei-de ter.  Eu, neste momento, estou a investir num curso superior, fundamentalmente porque, além de gostar, quero ter dinheiro para que eu e os meus descendentes um dia possamos viver bem. Não sou hipócrita e digo a toda a gente que um dia quero ser rica, mas nunca disse a ninguém: um dia quero fazer deste um país rico para que todos possamos viver bem

Isto é precisamente o que eles querem. O M. está cá em Portugal juntamente com o A. para obter o grau de Mestre, mas fiquei a saber que o grau de Mestre não faz com que ele tenha um salário melhor, pois já ganha o equivalente. No entanto, ele acha importante formar-se melhor,  mesmo que isso implique uma longa temporada longe do país e da família, para, enquanto professor, poder formar melhor. Além disso, dizia-me que acha importante acabar com o sistema de cunhas e facilitismo para os "importantes", aparentemente ainda mais insinuante do que cá  (mas tripliquem o que há cá!), quando ele poderia ser dos principais beneficiários. 

Poderia continuar a discorrer sobre como fui transportada para Moçambique, mas contar é muito insuficiente, tem de se viver, por isso só queria sublinhar a união que se vive naquele espaço: estava ali como se estivesse em casa, porque ninguém permitiu que fosse de outra maneira. Até tive direito a cantar os parabéns à F., que acabara de conhecer, acompanhada de champanhe e duas generosas fatias de bolo!

[Foi bom também olhar para o R., que nem o A. conhecia, e vê-lo envolvido a conversar com toda a gente e apaixonar-me mais um bocadinho. Adoro apaixonar-me por aquilo que ele faz, no geral, e não apenas pelo que faz por mim.]

P.S. --» Histeria. Amanhã começa o Ídolos! Sou fã. Desde a 1ª edição. Como fã que se preze já esgotei o stock de vídeos do site da SIC.

15 comentários:

  1. Nos últimos anos ate tenho tentado nao parecer tao antipatica mas as expressoes no rosto parecem denunciar-me :) O ponto 5 nao podia ser mais verdadeiro. Espero que continue assim, porque mesmo eles sendo bonitos têm sempre algo mais do que isso. GRAÇAS A DEUS!!!

    E o último ponto a ver vamos. Para o ano neste dia, vou estar a escrever o post de desespero por saber a novidade :D

    ResponderEliminar
  2. No frango de churrasco estou contigo: a parte do peito é que é boa :D

    ResponderEliminar
  3. Agora já percebi a do franguinho :) Eu também só gosto de peito eheh, mas diferente de ti gosto do frango quase de qualquer maneira :)
    Gostei deste teu post e "conhecer" mais um pouco desse país.
    Beijinho minha querida :)

    ResponderEliminar
  4. adoro comida picante! e sou especialista a fazer comidas exóticas, caril, frango com amendoim, massas italianas uiii como eu adoro cozinhar, aliás até ja dei essas receitinhas no blog lol.
    E sim adoro jantares desses de união, onde se fala de tudo e onde se esquece a vida la fora! beijinhos bom fim-d-semana!

    ResponderEliminar
  5. Porque em Moçambique nem tudo são comidas picantes, questiono-me se não haveria, por exemplo, caril de amendoim ou de camarão =) Mas também sou suspeita, quase 10 anos de vida em Maputo, permitiram-me começar a gostar de picante (picante de verdade, que o de cá não pica =P)
    quanto à união... há coisas sem qualquer tipo de explicação e que são boas de viver e sentir e ainda hoje o sinto, tal como tenho em mim um imenso desejo de lá voltar... Há sempre uma parte de nós que por lá fica, seja pela simplicidade, união ou por qualquer outro capricho da alma...
    Há coisas que não se explicam =)

    Beijo*

    ResponderEliminar
  6. Muito obrigada. és muito querida. se precisar sei a quem recorrer :)

    ResponderEliminar
  7. Olha, éu só provei comida Angolana, mas até gostei muito! Não era doce, não. Mas era bem diferente da nossa!
    E quanto aqueles dois ps's ali em baixo, sei bem o que isso é. Apaixonarmo-nos por eles serem como são (e não, não só connosco) e apaixonarmo-nos pelos ídolos :b hehe

    ResponderEliminar
  8. Não nos devemos conhecer. Infelizmente. E com isto podes excluir Psicologia :b

    ResponderEliminar
  9. Mary Jane, primeiro que tudo acho que te devo um pedido de desculpas. Desculpas pelas visitas em atraso e desculpas pelos comentários quase telegráficos.
    Como sabes, gosto de me debruçar sobre os textos e fazer um comentário que não se resuma a um olá. Ora como eu já informei, ultimamente tenho andado um pouco descontrolado nos horários e o sono é tanto que mal me "debruço" um pouco mais sobre um texto, acabo com a cabeça quase a bater no teclado e a ter de voltar atrás no texto, para bater com a cabeça um pouco mais adiante loool.
    Passando agora ao post de hoje, fixei-me no "espírito de missão". Até parece que a pobreza irmana as pessoas no espírito de solidariedade, enquanto a riqueza, que tanto procuramos, tem o triste condão de nos afastar. Afasta-nos enquanto a buscamos, porque na ânsia de a conseguirmos passamos por cima de valores importantes e aqueles que a conseguem atingir, tantas vezes se esquecem os tempos menos abastados. A diferença, quanto a mim, é que nós lutamos para mais riqueza, eles lutam por menor pobreza.
    A maneira mais económica de nos aquecermos, é encostarmo-nos uns aos outros, não é ligando o aquecedor.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. Não gostaste da comida? Eu amooo! :)

    Tão bom, docinha e com fruta misturada!

    Beijocas.

    ResponderEliminar
  11. Acho incrível essa generosidade toda.

    Já tinha uma ideia de como são as coisas por lá e as gentes de lá, mas adorei saber da tua experiência.

    Foi interessante, e o tipo de coisa que mexe comigo.

    ResponderEliminar
  12. Adorei o post. Transportar para lá foi delicioso!... ;)

    ResponderEliminar
  13. Eu quero acreditar que continua a valer a pena investir em formação. Quero muito acreditar mesmo.

    ResponderEliminar

Não resisto às novidades do Mundo Lá Fora. Contem-me tudo, tudinho!