sábado, 7 de julho de 2012

Quinta-feira fiz 24 anos

Com 24 anos não me imaginava casada, mas imaginava-me de mão dada no fim de todos os dias. Imaginava-me de pés descalços estendidos no sofá e sobre alguém que não se importaria de os suportar. Imaginava-me de face caída num ombro forte que sentisse que jamais me ia deixar cair. Imaginava-me a saber de cor uma pele, um cheiro, uma voz, um abraço, um beijo. Imaginava-me a fixar olhares, minutos, momentos, histórias. Imaginava-me a doer de rir. Imaginava-me a deitar-me e bastar-me esticar um braço para sentir um corpo, o teu corpo, ao lado. Imaginava-me a prender uma respiração ofegante que dá mais sentido à minha. Imaginava-me a piscar o olho à sorte de te ter ao meu lado. E mesmo que só saiba piscar um dos olhos, sabe que esse é o teu.  É o esquerdo. O do coração. Imaginava-me a prometer um "para sempre" que há algum tempo atrás risquei do dicionário. Não por não acreditar que pode existir um "para sempre", não por não querer efectivamente que seja, mas sim por ser, para mim, um desejo demasiado forte e sincero para se andar por aí a trair. 

Tenho pressa. Tenho pressa de fazer, dizer e viver coisas pirosas. Pressa de como diz o Bryan Adams ver as minhas criancinhas por nascer nos teus olhos. Mas tenho tempo. Porque és só tu.

Espera. Digo a mim própria. 

E espero porque tu vais valer a pena, porque tu vais ser o "para sempre" ou o "até que a morte nos separe" ou qualquer coisa menos dramática que só se diz uma vez na vida. A verdade é que para lá destas poesias, espero principalmente porque é mais fácil esperar do que enterrar sonhos. É mais fácil esperar do que dizer a mim própria: pára de sonhar, não vai dar. Diz que as coisas que valem a pena não são um pudim instantâneo. E hoje não vou porque um dia irei contigo.

Com 24 anos, pela primeira vez, não anunciei o dia do meu aniversário aos quatro ventos, não andei a espalhar sorrisos e tive um dos dias mais adolescentes de sempre: senti-me profundamente infeliz e sem motivos para tal. Fui birrenta e mimada. Porque estou à tua espera.


E quem fez de tudo para fazer deste dia um dia especial não merece que fique guardado de má forma. Fica, pois, a memória de, à meia-noite, ouvir guitarras à minha porta e um coro de 14 marmanjos (des)afinados entoar "Friends will be friends".

17 comentários:

  1. Tens tanto tempo, Mary Jane! Aproveita-o da melhor maneira possível, pois é disso que te vais lembrar sempre:)

    Parabéns!

    Beijos

    ResponderEliminar
  2. Gostei do que disseste ("é mais fácil esperar do que enterrar sonhos"), acho que vou guardar essa frase para mim durante um bom tempo. E os 14 marmanjos devem ser do melhor. Parabéns atrasados Mary Jane :)

    ResponderEliminar
  3. Parabéns mary :)
    Também eu me encontro em estado de espera, com um medo aterrorizador de perceber que o meu caminho é outro. Quem sabe não pode dar certo esperar, e enquanto não sabemos eu vou esperando.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  4. Antes de mais: parabéns!
    Se tiveste amigos que te fizeram uma surpresa dessas já tens mais do que muitas mulheres casadas. Tudo acontece por uma razão. :D

    ResponderEliminar
  5. Tiveste mesmo uma serenata??? Que fixe! Que lindo...
    E muitos parabéns. Tudo de bom, tu mereces. Bjinhos :)

    ResponderEliminar
  6. às vezes esperar vale a pena, mas é preciso ter o discernimento para saber quando a espera é ou não justificada, para sabermos se não estamos a viver numa ilusão e se não vale mesmo a pena enterrar os sonhos. espero q não seja este o teu caso e que valha a pena guardar esses sonhos e torná-los reais, se não for aos 24, que seja aos 25 ou aos 26. um beijinho e parabéns :)

    ResponderEliminar
  7. a verdade é que todos nós nos imaginamos de determinada forma quando completarmos uma certa idade. é inevitável fazer planos, pensar no futuro, e levar pras nossas imaginações as pessoas que queremos bem. Mas às vezes a vida troca-nos as voltas e há que (re)imaginar tudo novamente. E quem sabe não será ainda melhor do que aquilo que pensávamos. Vá, uma pessoa como tu não pode andar por aí a deprimir pelos cantos :)

    Mando-te daqui um beijinho muito grande e parabéns muito atrasados :)

    ResponderEliminar
  8. Fiquei sem palavras perante este texto. Demasiado bonito para dizer o que quer que seja...parabéns pelo seu aniversário e que venham muitos mais em dias felizes e preciosos.

    ResponderEliminar
  9. Por tudo, Parabéns :)
    que tudo o que desejas te faça muito feliz :)

    ResponderEliminar
  10. Ana,
    às vezes (muitas vezes) tenho a mania que não e que estou muito atrasada para tudo :)

    Elle Tallis,
    obrigada e sim :) são pessoas que me mostram, todos os dias, que não estou sozinha e que revelam genuínamente que querem a minha felicidade.

    meg*, pode não dar certo esperar, mas também investir apressadamente pode fazer com que a espera seja ainda mais longa em virtude de test drives falhados. Estou contigo, um dia vamos deixar de estar à espera!

    ResponderEliminar
  11. Panda,
    sem dúvida, é essa uma das mensagens que tenho de pespegar num sítio onde possa ver sempre!

    Gaja Maria,
    não foi uma serenata daquelas de capa e batina, mas foram duas guitarras, a música que apontei no post e um coro de vozes. Foi muito bonito :)

    Hermione,
    gosto muito dos teus comentários porque revelam sempre uma preocupação e cuidado especiais por mim. És sempre aquela que diz: muito bem, mas olha a), b), c) e d) e não te magoes. Obrigada!

    M,
    e que dizer de ti? Obrigada, minha querida. Sei que também é daquelas que torce genuínamente pelos dias mais solarengos que, tenho a certeza, virão aí.

    ResponderEliminar
  12. :) Parabéns atrasados e desejo que este teu próximo ano te traga tudo de bom e a possibilidade de concretizar alguns dos teus sonhos :)

    ResponderEliminar
  13. Antes de mais parabéns, pela ultima quinta :)

    Por acaso, tb ando a pensar muito nessas coisas do futuro e tal, sintomas de quem tá a acabar o mestrado, mas vale mais nem pensar não é? E parece que tens mesmo bons amigos :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Escreves tão bem que é um crime andares desaparecida! Tenho pena de não anunciares aqui os teus anos, lembro-me do ano passado o fazeres, contente. Imaginava-te com um sorriso alegre e contagiante, como uma criança cheia de prendas e de amor. Ao ler este texto, vejo uma mulher com 40 anos a pensar que vai para tia, triste, desiludida, sem ânimo. Tens a vida inteira pela frente, espera, aproveita, sonha. Mas vive. Um dia, daqui a 1,2,3 ou mesmo 4 anos, não sei, irás estar habituada aquele ressonar, irás ter sitio para onde por os pés e dois ombros para pores a cabeça!
    beijinhos grandes

    ResponderEliminar

Não resisto às novidades do Mundo Lá Fora. Contem-me tudo, tudinho!