segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Dictum et factum

Dictum et factum - oferecer postais às pessoas mais importantes da minha vida. Eis um deles:

Querida mamã,
(...) Lembro-me da forma como guardavas, com o maior carinho, cartas e desenhos que eu ou a M. te fazíamos e, embora não o diga todos os dias, reconheço-o e valorizo-o. Lembro-me de, já na escola primária, escrever sobre a "caixa das rosas" onde todas as nossas recordações estão guardadas. Hoje acredito que poderá ter sido essa mesma "caixa das rosas", com tudo o que simboliza, a trazer-me muitas das coisas que sou hoje. Porque afinal sou ambiciosa (fui sobretudo a nível escolar, tu sabes...), mas nada materialista (gostar de marcas caras é uma coisa que se insere noutra categoria!). O fundamental é que acho que na vida fiz sempre escolhas de coração e talvez tenha aprendido isso contigo já que, desde pequenina, pela forma como valorizaste sempre mais as minhas cartas, do que os presentes que comprava, ensinaste-me isso: a valorizar os afectos, o que vem do coração. Por isso, quando tu dizes que eu sou exigente, eu diria que sou apenas simples e que o que se está a tornar realmente exigente - e talvez essa seja a raíz de muitos problemas - é as pessoas perceberem que o mais simples é o mais importante. E por isso, nesta época natalícia, vou esquecer que às vezes exageras e dizes disparates para realçar a grande pessoa que és e que valorizo.

Vou falar-te do orgulho que sinto quando digo que és a pessoa que mais lê que eu conheço, quando digo que dominas um maior número de línguas estrangeiras do que eu ou que sabes quase tantas letras de música decor como eu (ainda para mais na generalidade tens um gosto musical requintado e não "atonyzado" como tanta gente da tua geração; por isso, juro que até te perdoo aquele Natal em que me ofereceste um "best of" do Bryan Adams, quando eu ainda nem sabia quem era o homem, só porque tu própria o querias para ti). Vou falar também do orgulho que sinto quando digo que apesar de ferveres em pouca água nas verdadeiras e traiçoeiras lutas que já enfrentaste tens uma força, uma coragem e uma habilidade para combater incomportáveis.

Fundamentalmente quero que te lembres de cada vez que estiveres a sentir-te mais triste ou zangada que podes estar tudo isto, mas alguém que me ensinou o que é o amor, a força e a coragem não pode ser nada disto.

3 comentários:

  1. Uau! A tua mãe deve ter adorado este postal! Está lindo!

    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  2. A tua mãe até deve ter chorado!
    :P

    ResponderEliminar

Não resisto às novidades do Mundo Lá Fora. Contem-me tudo, tudinho!