segunda-feira, 11 de junho de 2012

O maior delírio já exposto neste blog

O título é só o início!

Está uma noite bonita, escura como todas as outras. Apetecia-me ir deitar-me na relva, ouvir os grilos e apanhar estrelas cadentes daquelas de pedir desejos.

Mas depois, a verdade é que hoje, lá fora, há mais terra do que relva; provavelmente não há grilos - mas já há melgas e eu já assassinei umas quantas, ouvi umas e senti outras, pelo que a aguardar-me deve estar já aí uma irmandade de melgas em peso! - e, drama dos dramas, fui sempre mal sucedida na tarefa de apanhar estrelas. Nem em dias de suposta chuva a sorte mudava...

E pronto, isto era só um pequeno prelúdio para disfarçar e para toda a gente vir cá acudir... 

Agora aguardo o fundamental que são as tiradas como "Quando é que caíste tu?", "A maior estrela não precisa de cair" e derivados.Também serve uns devidamente entoados "Baby you're a firework!" ou "A minha sorte grande foi você cair do céu!". E recomenda-se cuidado nos agudos que os meus ouvidos são sensíveis.



Hmm, vou ponderar se faço um deletezinho...

3 comentários:

  1. lol!
    Aqui está frio e acho que vai chover!Mas outro dia, já a noite ia longa, vi uma estrela de cadente!

    ResponderEliminar
  2. Hmmm. Pindérica esteve quase lá! Coisas pindéricas costumam ser brilhantes. Brilhante = estrela.

    ResponderEliminar

Não resisto às novidades do Mundo Lá Fora. Contem-me tudo, tudinho!