segunda-feira, 5 de novembro de 2012

O homem que parece que está interessado versus aquele que realmente está

Parece fácil de detectar, mas às vezes não é. Porque um homem que parece que quer saber pode ligar-nos 10 vezes ao dia e enviar 100 SMS... Isto é o tipo de coisa que só um homem totalmente colado, vidrado (irritantemente interessado, até) faria, certo? Errado. Geralmente faz isto, até logo numa fase inicial, o que parece que está interessado, mas está é verdadeiramente curioso relativamente à cor das nossas cuecas, pelo que convém abreviar a coisa.
O que está verdadeiramente interessado vai contar os minutos entre as SMS que envia (por muito que quisesse enviá-las seguidas!), num esforço de auto-controlo.

O que parece que está interessado vai descrever muitas vezes quão bom é e falar dos inúmeros talentos que tem. Não perguntará nada sobre a fêmea para além de questões rudimentares e básicas (e.g., Dormiste bem?) ou para além daquelas que servem para engrandecer o próprio ego que afinal parece não ter bases para se segurar sozinho ("Qual foi a primeira coisa que reparaste em mim?; O que é que achas que tenho de melhor?"). É o tipo de pessoa que intencionalmente, ou simplesmente por imaturidade, não quer ter uma relação com outra pessoa: quer ter uma relação consigo própria, só que ainda não descobriu e pensa que quer muito amor. A menina estará lá apenas para idolatrar. 
O que realmente está interessado mesmo que fale dele - até porque a bem dizer, na conquista acaba por se estar a vender um produto e há que o apresentar atractivo - também vai querer saber de nós, incessantemente de nós, detalhadamente de nós, genuínamente de nós. E não vai ser apenas com base nas perguntas que colocam que vamos notar este interesse (até porque em série matariam qualquer uma), mas no ar embevecido da escuta. 

O que parece que está interessado tem revelações pseudo-afectivas rápidas. Será célere a fazer crer que a mulher-alvo ilumina a existência dele, que o deixa mais empolgado, com saudades e ansiosamente à espera do próximo contacto. Vai apontar inclusivé entusiasmado que acha que aquilo é "qualquer coisa". Vai ser proficiente também a "inventar" nicknames amorosos. Geralmente, "inventa" os mais pirosos e populares da história - "coração", "princesa" e similares.
O que está realmente interessado vai gaguejar da primeira vez que tentar chamar à mulher que lhe dá a volta aos sentidos qualquer outra coisa que não o nome próprio ou vai trocar as palavras todas de sítio da primeira vez que quiser fazer uma declaração mais séria.

Machos por aí, desculpem lá revelar os vossos segredos, mas tudo é feito em prol da qualidade - há que saber reconhecer os bons. E eu tenho a certeza que os bons ainda andam por aí.


23 comentários:

  1. Eu cá não tenho tanta certeza de que os bons ainda andem por ai..

    ResponderEliminar
  2. acertaste em cheio...é mesmo assim :)

    ResponderEliminar
  3. Como homem, tenho a dizer que acertaste em cheio!!!

    ResponderEliminar
  4. Completamente!
    E sim, os bons ainda andam por aí:)

    ResponderEliminar
  5. Eh lá! Toda uma brigada altamente certificada confere as informações dadas, je gostar muito! Inclusive, verifiquem bem que há um macho que, embora de proveniência duvidosa, sublinha as conclusões. Não se trata pois de uma união de fêmeas!

    Camila,
    não agoires, o meu está por aí! A Ana é que sabe :P

    ResponderEliminar
  6. Há que dar crédito aos que, sendo maus, disfarçam bem.
    Cuidado!

    ResponderEliminar
  7. A meu ver acertaste em tudinho acerca dos homens ;)

    ResponderEliminar
  8. Pela parte que me toca, e só conhecendo os homens que ´parecem estar interessados", acertaste em tudo!

    ResponderEliminar
  9. Louco,
    pensei estender este post, ainda mais, que era bem possível, mas depois decidi não o fazer. Ainda estou a contribuir para aperfeiçoar trastes :P

    Nervosinha, Miss Worm, Jovem, Rita, S.o.l.,
    com tanta aprovação está a crescer suporte para que este seja o meu tema de doutoramento: as relações sob a perspectiva masculina :P

    ResponderEliminar
  10. Faltou dizer que os que estão verdadeiramente interessados aguentam as críticas à pessoa deles, ao passo que os outros ficam todos ofendidinhos :)
    [E, cá para nós, ainda está para nascer o macho que não seja susceptível de crítica...]
    Beijinhos, gostei muito do 'post'!

    ResponderEliminar
  11. Miú Segunda,
    boa perspectiva, mas acho que o produtor da crítica é sempre muito responsável pela forma como ela é aceite ou não :)

    ResponderEliminar
  12. Está tudo muito certo, eu até concordo com noventa e tal por cento do que foi dito mas o eterno problema que persiste é: noventa e muitos por cento das mulheres não está verdadeiramente interessada nos homens que estão realmente interessados. Esses são chutados para a frindzone. Fact!

    ResponderEliminar
  13. PM,
    acho que tanto chutam para a friendzone mulheres como homens e o facto de se ser chutado para a friendzone não acho que tenha a ver com estar realmente interessado ou não, tem a ver com uma conjunção de factores: ser interessante ou não; ser o momento certo ou não; existir um eventual clique que faz com que todas as eventuais nuvens se dissipem ou não.

    Claro que cabe apontar que eu só fiz este post a propósito dos homens porque sou mulher. Fosse homem interessado em mulheres faria sobre mulheres :P Agora se a tua perspectiva é que a maior parte das mulheres quer os que fingem estar interessados, os ardilosos, eu discordo!

    ResponderEliminar
  14. Ai Mary Jane, essa do clique e dos outros factores já me valeram tantas discussões... Não deixas de ter razão, até concordo em parte, mas às vezes é uma desculpa piedosa.

    O teu post tanto serve para homens como mulheres. É bem verdade nas duas versões. Eu acho que a minha perspectiva tem fundamento mas há que notar que muitas mulheres não vêm ou não querem ver a realidade e deixam-se levar pelo ardil de alguns homens. Outras preferem mesmo porque "dá mais pica" porque quem realmente está interessado torna-se presa fácil, porque está +/- garantido, e a emoção da caça vai-se. Para além de perspectiva é também um bocado de experiência própria e do que vejo à minha volta. Se calhar estou errado...

    ResponderEliminar
  15. PM,
    eu acho que chega a ser mais piedoso forçar o gostar de alguém. São coisas que não se forçam e mesmo difíceis de explicar.

    A tua teoria vale para paixões fugazes, acredito. Para quem quer uma coisa mais séria acho que não :)

    ResponderEliminar
  16. Concordo. Eu não diria piedoso, é triste mesmo. Uma falta de amor próprio que nem consigo adjectivar.

    Acho que vale para paixões fugazes e para o resto. Ao que eu vejo por aí...uns anos depois arrependem-se mas custa a aprender.

    ResponderEliminar
  17. Recentemente conheci um macho que insere-se na categoria de "parece que está interessado" e confirma-se. Nunca vi um texto tão bom sobre este tema :)

    ResponderEliminar

Não resisto às novidades do Mundo Lá Fora. Contem-me tudo, tudinho!